O governador do Maranhão, Flavio Dino (PCdoB), montou uma operação de guerra para conseguir transportar 107 respiradores e 200 mil máscaras da China.

A logística foi traçada após frustradas reservas de respiradores feitas pelo Estado.

De acordo com a coluna Painel, da Folha de S.Paulo, a gestão de Dino foi atravessada por Alemanha, EUA e pelo próprio governo federal.

Em março, o governador reservou a compra de um lote de respiradores de uma fábrica de Santa Catarina, mas viu o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) bloquear a transação e distribuir os equipamentos segundo seus critérios.

Na sequência, reservou 150 respiradores na China, mas a Alemanha passou na frente, pagou mais e levou o pacote. Pouco depois, a situação se repetiria, com os norte-americanos interferindo na negociação.

De acordo com a coluna, com a ajuda de uma importadora maranhense, o governo estadual passou a negociar com uma empresa de Guangzhou, que enviou os respiradores para a Etiópia, com o objetivo de escapar do radar da Europa e dos EUA.

O cargueiro aterrissou em São Paulo e a mercadoria foi colocada em um avião fretado da Azul e mandada direto para o Maranhão.

Conversa Afiada

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui